Como sobreviver a uma Bad Vibe

Como sobreviver a uma Bad Vibe

Como sobreviver a uma Bad Vibe

Tem dias que parece que incorporei o demônio!  E parece até que é impossível sobreviver quando aquela Bad Vibe (baixo astral, sofrência etc) aparece.

Afinal, nem só de coisas boas vive quem escolhe a felicidade como estilo de vida. Na verdade, essa escolha tem que ser feita momento a momento, mas confesso que nem sempre é fácil.

O segredo para sobreviver a Bad Vibe é não ficar  “alimentando” esses momentos, “tomando chá” com os problemas. No meu caso, eu apenas aceito o que está acontecendo, sem julgamentos, e me ocupo o melhor possível com algo que me agrade até essa fase passar.

E não estou aqui falando de passar dias ou meses… são alguns minutos (que podem parecer eternos, é verdade), quando muito, algumas horas para minhas emoções começarem a melhorar novamente.

Muita gente quando descobre que tem poder de escolher o que quer sentir, e viver, acaba criando uma verdadeira guerra interna com seus sentimentos, e acaba se reprovando por sentir raiva, frustração, medo.

Mas não há nada de errado com isso, sério! O problema real só acontece se você escolhe ficar nessa frequência.  É como sair e começar a chover: você pode escolher ficar tomando chuva, ou procurar um lugar para se abrigar. Eventualmente, a chuva vai passar.

Vejo que o julgamento é mais prejudicial do que os próprios sentimentos, porque ele cria resistência contra o que realmente está acontecendo. E é essa resistência que nos faz sofrer, além de ser extremamente cansativa, pois precisamos ficar constantemente vigiando para nada de MAU nos “atacar”.

Um caminho para sobreviver e aprender com a Bad Vibe

Entender que o sentimento negativo tem uma função – avisar que estamos no caminho errado do que desejamos – nos ajuda a sobreviver a Bad Vibe com muito estilo e poder pessoal.

Não é pra gente ficar lá dialogando com ele, procurando os porquês, remexendo na velharia emocional ou existencial. É para nós mudarmos a direção, procurarmos algo que nos faça sentir bem.

Veja, me refiro a se sentir BEM X MAL, e não ser CERTO ou ERRADO. Há uma grande diferença nisso, porque no segundo caso, há julgamento em questão. E julgamentos nos colocam em situações de inferioridade, de não merecimento, logo, nos fazem sofrer.

Assim é fácil entender porque o conselho “Aceita que dói menos” é super verdadeiro, não é? Mas não é só isso, é também a única forma de se livrar da dor definitivamente.

 

NO COMMENTS

GIVE A REPLY