Desista do julgamento e seja feliz

Desista do julgamento e seja feliz

Desista do julgamento e seja feliz

Você sabe o que é julgamento? É quando você considera algo, ou alguém, certo ou errado, bom ou ruim. Tirando a situação de você ser um juiz, e nesse caso, julgar é parte do seu trabalho, o julgamento só contribui para sua infelicidade. Isso porque nada, nem ninguém, carrega um rótulo que o separa de forma automática em um dos lados da balança. E não adianta vir com aquele papo de “ah, mas matar é errado!”. Bom, numa situação de é você (ou seu filho) ou um criminoso, você continuaria pensando assim? Veja, não estou defendendo sair matando por aí. Estou defendendo meu ponto de vista de que não existem verdades e valores absolutos.

O julgamento nasce de um padrão aceito e a partir daí tentamos classificar tudo e todos, considerando, ainda, que existem apenas duas situações (existem infinitas situações, mas não temos acesso a todas elas). Isso já é ruim aplicado aos outros, mas torna-se pior quando aplicado a nós mesmos, e então começamos a nos sentir inferiores e desvalorizados quando não nos encaixamos nesse padrão. Percebeu agora de onde vem sua infelicidade?

Tudo na vida é, em si, neutro. A eletricidade, por exemplo, apenas é. Mas ela pode servir para ligar todos os seus aparelhos eletrônicos e te dar uma vida confortável e cheia de entretenimento OU ela pode te matar eletrocutado. De novo, não há um valor absoluto para ela, assim como não há um valor absoluto para mim ou para você. Cada um é do jeito que é, e todos fazemos nosso melhor a cada momento, com o que temos. Se nos colocarmos no lugar do outro (por pior que ele seja) e avaliássemos a situação pela perspectiva dele – o que inclui deixar de lado nossas próprias crenças – tudo faria sentido também.

Eu não acredito em propósito de vida (e isso será abordado em outro post), só acredito que estamos aqui para sermos felizes. Não me refiro àquela felicidade que na verdade é uma satisfação pela conquista de algo, mas sim a felicidade mais genuína possível, e essa é muito pessoal, ninguém vai atingi-la sendo igual a todos os outros. Aliás, não entendo essa necessidade doentia de querer/precisar ser igual aos outros (sendo esse igual um ideal de perfeição estabelecido pela sociedade).

Adeus julgamento, olá felicidade

A verdadeira felicidade só chega até nós quando abrimos mão do julgamento – de coisas, situações e pessoas – atribuindo um valor pré-estabelecido e querendo se encaixar em algum deles. Se quiser carregar um rótulo, que seja o de “sou feliz”, e faça isso da sua maneira, e permita que cada um seja da maneira que quiser também. Afinal, é tão melhor ser único!