O medo de perder e a inveja

O medo de perder e a inveja

O medo de perder e a inveja

De todos os medos do ser humano, talvez o medo de perder seja o pior deles. Temos medo de perder as pessoas queridas, de perder o controle, de perder as conquistas e por aí vai.

Como se isso já não fosse o bastante – afinal o simples fato de sentir medo atrai mais coisas para temer – criamos dentro de nós um novo sentimento, o da competição, pois no fundo, o medo de perder traduz a crença de que o Universo é escasso em recursos.

É até bizarro pensar que uma força tão poderosa, capaz de criar planetas, sistemas solares, seres vivos, a própria VIDA, não tenha “pensado” em como suprir todas as necessidades de suas criações, não é?

Então, por que ficamos tão apegados a ideia de que para alguém ter algo, outro alguém tem que perder?

Por causa desse medo, vivemos competindo quando poderíamos estar cooperando uns com os outros. Na competição, sempre há um vencedor e um (ou mais) perdedor; enquanto na cooperação todos ganham. Ow, e isso é tão maravilhosamente belo!

Em uma era onde as redes sociais comandam nossas vidas (#sqn, eu espero), vejo mais gente tentando depreciar o trabalho de alguém do que valorizando o trabalho que admiram. Na verdade, a admiração é em geral, substituída pela inveja (e essa carrega junto o tal medo de perder, novamente).

É difícil acreditar? Então faça uma viagem pela sua timeline e verifique quantos posts COOPERATIVOS você tem e quantos COMPETITIVOS. Você vai se surpreender!

Sem o medo de perder você só tem a ganhar

Eu sempre acreditei que se a força criadora colocou tanta gente vivendo junto num único planeta, enquanto há tanto espaço infinito para cada um ter seu próprio planeta, é porque nós precisamos uns dos outros de alguma forma.

Fico particularmente feliz quando vejo pessoas que apoiam o trabalho umas das outras – em geral isso é algo totalmente colaborativo, e não porque vão ganhar algo em troca diretamente (apesar de eu não ver problema algum em quem ganha para fazer propaganda, mas isso é outro assunto).

Às vezes, a gente só precisa deixar de ver nossas relações como negócios e vê-las como interações de valor – e não de preço. Cada um de nós tem um dom especial para compartilhar, e é nesse compartilhamento que todos ganham direta ou indiretamente.

Encare esse medo, transmute a inveja, e permita-se fazer parte desse Todo.  Como no nosso corpo não existe uma célula mais importante que a outra, ou mesmo alguma que seja dispensável, o Universo conta com o dom de cada um de nós para ser completo.

 

NO COMMENTS

GIVE A REPLY