O que aprendi ao chegar numa idade Clássica – 4.1

O que aprendi ao chegar numa idade clássica

O que aprendi ao chegar numa idade Clássica – 4.1

Para mim, aniversário é aquele dia de fazer balanço. Em geral me concentro no ano que se passou, mas dessa vez fiz uma análise mais abrangente, afinal, hoje cheguei a uma idade clássica (4.1).

Antes de eu ter tomado a decisão de ser feliz agora, como que já sou e já tenho, e parar de ver minha vida como uma maldição, eu só me concentrava nos aspectos negativos que eu experimentava; agora, felizmente, vejo como minha vida é realmente incrível.

E é justamente isso que vou compartilhar aqui para celebrar o marco de uma idade clássica da minha existência.

  1. Não carregue arrependimentos: a gente sabe que a vida está valendo a pena quando pára a qualquer momento e se pergunta: “se eu morrer hoje, me arrependo de algo que fiz ou que não fiz?” Se a resposta for NÃO, você está no caminho certo;
  2. Amor verdadeiro é aquele que existe independente de um ser/objeto: se você só é capaz de amar uma pessoa, então, na verdade, você ainda não sabe o que é AMOR;
  3. Crescemos como pessoas quando aprendemos a RESPONDER a vida ao invés de REAGIR: enquanto reagimos, somos seres manipulados que não exercemos nosso poder;
  4. Ninguém além de nós mesmos pode nos dar o que precisamos: interagir com outras pessoas não significa esperar delas algo que nos faz falta;
  5. Enquanto não aceitamos quem somos e seguimos os desejos da nossa alma, estamos mortos antes de morrer;
  6. Quando tudo e todos a nossa volta parece estar contra nós, é porque nós estamos contra nós mesmos;
  7. Se a vida não está divertida, então você está fazendo algo errado;
  8. Se a vida não está simples, então você também está fazendo algo errado;
  9. Ao contrário da sabedoria popular, devemos nos orientar por nossas emoções e não pela razão: a razão pode ser manipulada, as emoções não;
  10. Não existe certo e errado, tudo depende do contexto;
  11. Pessoas são pessoas, que fazem coisas, têm coisas, mas não são essas coisas;
  12. Não estamos aqui para atingir a perfeição porque já somos perfeitos, apesar de sermos diferentes;
  13. Conhecimento ocupa lugar, e muitas vezes nos impede de conquistar algo que desejamos;

4.1 não é velho, é uma idade clássica

Parece uma lista pequena mas, na prática, não são aprendizados tão fáceis. Tudo porque aprendemos a complicar, a querer entender tudo com a razão (que é muito, mas muito limitada), e enquanto ficamos presos nessa armadilha mental, o que realmente importa vai sendo deixado de lado.

Aniversário é bom, melhor ainda se for uma celebração compartilhada com as pessoas queridas, mas cada dia é uma nova oportunidade para sermos quem somos, celebrarmos e amarmos, e cada minuto que não fazemos isso é um minuto desperdiçado. Afinal, não é a toa que o AGORA é chamado de PRESENTE.

E hoje eu entendo que ao compartilhar a minha experiência de descoberta e transformação eu permito que outros tenham a sua também, e quanto mais pessoas se descobrem, mais perto estamos de, finalmente, nos tornarmos UM.

* A história de chegar a uma idade clássica – 4.1 é por causa de um dos carros antigos mais amados, o Opala 4.1, e todo antigo venerado é um clássico, certo?

NO COMMENTS

GIVE A REPLY