O que ninguém fala sobre autoajuda

O que ninguém fala sobre autoajuda

O que ninguém fala sobre autoajuda

O termo autoajuda está cercado de pré-conceitos pejorativos. Como tudo que surge de novo no Brasil (tudo bem, esse assunto não é nada novo, mas ainda é mal visto), esse conceito também é depreciado e utilizado para definir tudo que não tem valor quando o assunto é evolução pessoal, como se só alguém com um diploma na parede (psicólogo, médico etc) pudesse realmente ajudar alguém.

Veja bem, de novo, não quero aqui jogar tudo de um lado ou de outro, fazendo um julgamento de valor absoluto. Em todas as áreas há coisas boas e ruins, profissionais bons e ruins. Porém, uma coisa é certa, a única ajuda que uma pessoa pode ter é aquela que vem dela mesma.

Você já tentou ajudar alguém que não quer ser ajudado? Aquela pessoa que só acha problema em tudo, reclama de qualquer sugestão ou possível solução? É a mesma que vai ao médico e se recusa a tomar o remédio, ou aprende algo e se recusa a praticar. Ao contrário, quem quer ajuda encontra inspiração em qualquer lugar, seja na novela das 20h, numa consulta terapêutica, ou num livro classificado como autoajuda sim.

Eu mesma já li vários. Alguns não me acrescentaram nada, outros me deixaram com raiva de ter gasto dinheiro, e outros que se tornaram os meus amigos mais fieis, e os releio de tempos em tempos, e sempre posso aprender algo novo à partir da minha perspectiva de compreensão expandida.

A verdade é que autoajuda é sua vontade interior de encontrar uma solução para seu problema, seja existencial, psicológico, físico, financeiro etc., e essa vontade deixa seus sensores alertas a qualquer ensinamento, inspiração ou reconhecimento de um especialista que atenda sua necessidade naquele momento. É também a disposição de colocar em prática o que encontrou, pois tudo na vida precisa de alguma prática.

Autoajuda é o foco na solução

Eu acredito mais em inspirar do que em ensinar, isso porque nenhuma solução é universal, tudo que aprendemos será organizado em nossa mente de acordo com nossas experiências anteriores. Por isso, quando vemos alguém que resolveu um problema parecido com o nosso, vemos que é possível sim uma solução. Aprender com quem já percorreu o caminho pode nos dar alguns insights, mas no final, o sucesso depende de nós mesmos, da nossa capacidade de aplicar essa solução dentro de nossa realidade individual.

Por isso, apenas pense apenas na solução, e acredite que sua intuição (ou seja lá como você prefere chamar essa orientação interior) vai te guiar até os recursos que serão realmente úteis para você. E se algum deles for um livro de autoajuda, deixe de lado o preconceito e mantenha a mente aberta para atingir um estado de ser mais elevado e independente.